segunda-feira, 12 de outubro de 2020

OMS rejeita opção de deixar o coronavírus circular para alcançar imunidade coletiva: “É científica e eticamente problemático”, diz diretor-geral





Foto: Christopher Black / OMS / AFP / CP

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou, nesta segunda-feira (12), que “não é uma opção” deixar o novo coronavírus circular livremente para que a população adquira imunidade coletiva, como alguns vêm sugerindo.

“Nunca na história da saúde pública a imunidade coletiva foi usada como estratégia para responder a uma epidemia, muito menos a uma pandemia. É científica e eticamente problemático”, declarou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma coletiva de imprensa.

“Deixar caminho livre para um vírus perigoso, do qual não entendemos tudo, é simplesmente antiético. Não é uma opção”, insistiu.

A pandemia do novo coronavírus causou mais de um milhão de mortes no mundo desde que o escritório da OMS na China registrou o aparecimento da doença no final de dezembro.

Segundo a OMS, que cita diversos estudos epidemiológicos, sua taxa de letalidade é de aproximadamente 0,6%.

“Há um forte aumento na taxa de mortalidade com a idade, mas, em geral, aproxima-se de 0,6%. Pode parecer pouco, mas é muito mais alto do que para a gripe”, explicou a responsável pela gestão da covid-19 na OMS, Maria Van Kerkhove.

“A grande maioria das pessoas na maioria dos países pode contrair o vírus. As pesquisas de soroprevalência sugerem que, na maioria dos países, menos de 10% da população foi infectada”, detalhou Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Ele também explicou que o mundo não sabe muito sobre a imunidade das pessoas que contraíram o vírus e ressaltou que alguns indivíduos foram infectados novamente.

“A maioria das pessoas infectadas com o vírus desenvolve uma resposta imunológica nas primeiras semanas, mas não sabemos se essa resposta é forte, ou durável, ou se difere de pessoa para pessoa”, acrescentou.

Tedros ressaltou ainda que o conceito de imunidade de rebanho é utilizado nas campanhas de vacinação e lembrou que, para a varíola, é necessário que 95% da população seja vacinada para que os 5% restantes estejam protegidos. Para a poliomielite, a taxa é de 80%.

Ele reconheceu que “houve discussões sobre o conceito de alcançar uma suposta imunidade coletiva, permitindo que o vírus se propague”.

Mas “a imunidade coletiva se obtém, protegendo as pessoas contra um vírus, e não expondo-as a ele”, frisou.

A diretora científica da OMS, Soumya Swaminathan, afirmou que há em torno de 40 potenciais vacinas em ensaios clínicos. Destas, dez estão na fase III, a etapa final, que permitirá “conhecer sua eficácia e segurança”.

Swaminathan considerou que alguns grupos farmacêuticos poderão ter “dados suficientes” desses testes, a partir de dezembro.

UOL com AFP

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Arrecadação das receitas federais sobe para R$ 124,5 bilhões em agosto, após seis meses de retração



Foto: EBC

A arrecadação total das receitas federais atingiu, em agosto deste ano, o valor de R$ 124,505 bilhões, com crescimento real (descontada a inflação) de 1,33% em relação ao mesmo mês de 2019. Este foi o primeiro crescimento real depois de seis meses seguidos de retração. Os dados foram divulgados hoje (1º) pela Receita Federal.

No período acumulado de janeiro a agosto de 2020, a arrecadação alcançou o valor de R$ 906,461 bilhões, representando decréscimo de 13,23% pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Uma das explicações para o crescimento da arrecadação em agosto é o pagamento nesse mês das parcelas de tributos que tinham sido adiadas por causa da crise gerada pela pandemia de covid-19. A arrecadação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) teve crescimento real de 16,28%, chegando a R$ 31,811 milhões, o que representa acréscimo real de 16,28%.

“Esse resultado pode ser explicado pelo fato de os contribuintes terem efetuado o pagamento das contribuições com vencimento em abril (período de apuração, março) neste mês, por força das medidas relacionadas à pandemia do coronavírus”, diz a Receita. Também houve influência do aumento do volume de vendas e da queda nos serviços.

A Receita Previdenciária arrecadou R$ 40,010 bilhões, com aumento real de 13,74%. Esse crescimento também é explicado pelo pagamento da Contribuição Previdenciária Patronal, que tinha sido adiado.

Por outro lado, as compensações tributárias (ressarcimentos do Fisco aos contribuintes) cresceram 98% por influência da pandemia, na comparação com agosto de 2019. O valor das compensações chegou a R$ 18,096 bilhões.

Perspectivas


Segundo o chefe do Centro de Estudos Tributários da Receita Federal, Claudemir Malaquias, a atividade econômica “ainda não voltou em sua plenitude”, mas a expectativa é de retomada, com crescimento da arrecadação. “Mesmo diante da elevação das compensações tributárias, e sob efeito da desaceleração econômica, é possível verificar nos indicadores que estamos em uma nova trajetória ascendente da arrecadação. Quanto a setembro, estamos muito otimistas. Estamos fechando os últimos números, mas o resultado é positivo, muito melhor do que [o de] agosto”, afirmou.

Malaquias disse ainda que não há sinais de aumento da inadimplência das empresas, mas ressaltou que os contribuintes em dificuldades podem pedir parcelamento especial. “Ao longo da pandemia, muitas empresas tiveram dificuldade com seu caixa, com a queda do faturamento. A legislação atual já prevê um parcelamento especial nessas hipóteses. O contribuinte que tiver dificuldade pode procurar o atendimento da Receita, apresentar sua situação e o seu pedido de parcelamento. Ele tem condição de negociar o pagamento desses débitos para que a retomada das suas atividades não fique prejudicada”, afirmou.

IOF

De acordo com Malaquias, está em estudo a manutenção da alíquota zero do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) em operações de crédito até o fim do ano. Esta é uma das medidas de enfrentamento da crise gerada pela pandemia. Ele acrescentou que, se houver necessidade, o IOF pode ser mantido em zero também em 2021.

Diário do Poder

Eleitor poderá justificar ausência de voto pelo celular



Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil



As lojas de aplicativo de celular (app) colocam à disposição uma nova versão do e-Título com mais funcionalidades. O recurso eletrônico possibilitará a justificativa de ausência nas votações de 15 de novembro (1º turno) e 29 de novembro (2º turno), até 60 dias após cada pleito, por meio dos celulares e tablets.

Até as eleições, o e-Título estará atualizado para que as justificativas possam ser apresentadas a partir do dia da votação por quem não compareceu – por estar fora do domicílio eleitoral ou impedido de ir à zona eleitoral.

O e-Título, desenvolvido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), também permite ao cidadão gerar certidões de quitação eleitoral e de nada consta de crimes eleitorais, além de fazer a autenticação de documentos da Justiça Eleitoral.

O acesso ao aplicativo é gratuito e funciona em sistemas operacionais Android e iOs . Conforme nota da Justiça Eleitoral, para baixar o aplicativo, basta procurá-lo na loja de aplicativos do seu dispositivo móvel ou acessar o hotsite do título de eleitor no Portal do TSE.

Justificativa obrigatória

Nas eleições de 2018, 29,9 milhões de pessoas no primeiro turno e 31,3 milhões de pessoas no segundo turno deixaram de votar. Quem até hoje não justificou deve emitir o boleto para quitação de multas nos sites do TSE ou dos tribunais regionais eleitorais. A justificativa é obrigatória.

O pagamento deve ser feito pela Guia de Recolhimento da União (GRU) no Banco do Brasil. Depois de fazer o pagamento, o cidadão deve aguardar a identificação do recolhimento da multa pela Justiça Eleitoral e o registro na inscrição pela zona eleitoral. Essas informações estarão disponíveis pelo e-Título.

As soluções e os procedimentos acessíveis pelo documento também podem ser acionados pelo site ou pessoalmente nas seções eleitorais. O TSE orienta que em caso de urgência para a regularização da situação eleitoral, o cidadão deve entrar em contato com a zona eleitoral onde está inscrito para orientações sobre a baixa da multa no sistema.

Conforme a Justiça Eleitoral, o cidadão que não votar por três pleitos, nem justificar ausência, nem pagar as multas devidas terá o título cancelado.

Agência Brasil

sábado, 19 de setembro de 2020

Juíza do Trabalho diz que vagas de trainee exclusivas para negros do Magazine Luiza é ‘discriminação inadmissível’



Foto: Felipe Raul/Estadão

A juíza do Trabalho Ana Luiza Fischer Teixeira de Souza Mendonça afirmou em seu perfil no Twitter que o programa de trainee 2021 do Magazine Luiza, que aceitará apenas candidatos negros, é inadmissível.

“Discriminação na contratação em razão da cor da pele: inadmissível”, escreveu ela na rede social.

“Na minha Constituição, isso ainda é proibido”, afirmou a juíza ao responder um comentário feito na publicação.

Publicado na manhã deste sábado (19), o tuíte acumulava cerca de 500 curtidas às 15h. Por volta das 16h, a juíza apagou o tuíte e fechou sua conta no Twitter, restringindo o acesso apenas a seguidores.

Antes, ela havia compartilhado uma postagem sobre o programa de trainee que questionava: “E esse racismo, é do bem?”. A publicação, do deputado federal Paulo Eduardo Martins (PSC-PR), trazia a notícia sobre a iniciativa do Magazine Luiza.

Fischer é juíza no TRT-3 (Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais). Ela integrou a comissão de redação da reforma trabalhista do governo Michel Temer (MDB).

Atualmente, é uma das coordenadoras do Gaet (Grupo de Altos Estudos do Trabalho), do Ministério da Economia. A comissão elabora desde o ano passado uma revisão nas leis do trabalho.

Ao lado do ministro Ives Gandra da Silva Martins Filho, ex-presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), Fischer é coordenadora-adjunta do grupo Direito do Trabalho e Segurança Jurídica.

Procurada, a juíza não havia se pronunciado até a publicação desta reportagem.

Em seu perfil no Twitter, Ana Luiza diz que é “aquela que gosta do art. 5º”. Esse artigo da Constituição afirma que “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”.

O colunista da Folha Thiago Amparo também criticou a magistrada, em seu perfil no microblog:

“Data venia, juíza não parece conhecer que 1) art. 39, do Estatuto de Igualdade Racial permite ação afirmativa em empresas; 2) o próprio MPT incentiva tais políticas; 3) os diversos casos em que o STF leu a Constituição como permitindo ação afirmativa”.

Outros perfis também criticaram a postura da magistrada.

“Puxa vida, que absurdo haver ações afirmativas num país genuinamente racista, cujos passado e presente são de genocídio do negro brasileiro, que ganha menos e morre mais. É realmente inadmissível, todos somos iguais. Tenho até amigos pretos empregados, não precisa disso”, escreveu o perfil @NatanCafe.

“Vamos voltar no tempo, escravizar sua raça sistematicamente por gerações, depois pregar sobre a inferioridade da cor da sua pele séculos, para finalmente te inserir num local subalterno de guetos e subempregos. Aí você pode comentar isso sem parecer uma patricinha alienada”, escreveu @Rvfk5

Outros, no entanto, concordaram com ela. “O problema é o precedente que se abre. Existem maneiras de combater a desigualdade racial e discriminação, sem precisar abrir um precedente de… Segregação”, afirmou @SamLimaContador.

“A senhora está certíssima. Não compro mais na @magazineluiza e na @Ambev por elas estarem executando práticas discriminatórias de seleção”, escreveu @EUGNIODANTAS3.

Na sexta-feira (18), o Magazine Luiza anunciou a abertura das inscrições para o programa que seria voltado apenas para negros.

“O objetivo do Magalu com o programa é trazer mais diversidade racial para os cargos de liderança da companhia, recrutando universitários e recém-formados de todo Brasil, no início da vida profissional”, informou a empresa, em comunicado.

Atualmente, o Magazine Luiza tem em seu quadro de funcionários 53% de pretos e pardos. Mas apenas 16% deles ocupam cargos de liderança.

Segundo a empresa, o programa de trainees lançado nesta sexta-feira é o primeiro exclusivo para negros do Brasil. Ele foi desenvolvido em parceria com as consultorias Indique Uma Preta e Goldenberg, Instituto Identidades do Brasil, Faculdade Zumbi dos Palmares e Comitê de Igualdade Racial do Mulheres do Brasil.

Conforme reportagem publicada pela Folha nesta semana, um homem branco chega a ganhar em média quase 160% a mais do que uma mulher negra, mesmo quando ambos são formados em universidades públicas ou dentro de uma mesma profissão.

Segundo pesquisadores do Insper, isso revela a discriminação contra negros e mulheres no acesso a empregos bem remunerados ou a posições de destaque dentro das empresas

A empresa disse que não comentaria o caso, mas afirmou que fez uma extensiva análise jurídica para o programa.

Um dia depois do Magazine Luiza, a Bayer anunciou, neste sábado, que também terá um programa de trainees exclusivo para negros. A partir da segunda-feira (21), o programa de trainee 2021 estará com as incrições abertas para o processo seletivo e serão elegíveis profissionais negros graduados ou pós graduados entre dezembro de 2017 e dezembro de 2020.

As vagas não exigem conhecimento de inglês e estão disponíveis para todos os cursos de graduação. O salário será de R$ 6.900 por mês.

A empresa também lançará ainda neste mês um programa de mentoria para negros, voltado para profissionais que já atuam na companhia. “Nessa primeira fase, a iniciativa vai oferecer mentoring de carreira para 16 estagiários e analistas, ao longo de três meses”, afirmou em comunicado.

FolhaPress

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Aulas práticas e estágios para alunos das universidades privadas retornam no dia 5 de outubro em Natal



Foto: reprodução

As aulas práticas e os estágios para os alunos das instituições privadas de ensino superior da capital potiguar retornarão no próximo dia 05 de outubro. A decisão foi anunciada pelo prefeito de Natal, Álvaro Dias, em reunião ocorrida nesta quinta-feira (17), no salão nobre do Palácio Felipe Camarão, com representantes das Universidades.

Para autorizar o retorno, a Prefeitura exige que as instituições se comprometam a adotar um rígido protocolo de biossegurança para proteger alunos, docentes e funcionários, bem como sigam ofertando a opção de aulas remotas para aqueles que não optarem pelo retorno ao modo presencial. O decreto municipal com as medidas válidas para o setor será publicado na próxima semana.

Além disso, a Prefeitura solicita que as entidades entreguem um estudo com a expectativa de quantos alunos devem retornar às aulas práticas e estágios para que a Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU) reforce o sistema de transporte público da capital potiguar para absorver a demanda.

No encontro, o prefeito Álvaro Dias fez um balanço sobre as ações da gestão para combater e conter o avanço do novo coronavírus na cidade. Ele citou a montagem do Hospital de Campanha, com 20 leitos de UTI e 100 leitos clínicos, a ampliação das UTIs do Hospital Público Municipal, o reforço no atendimento das Unidades de Pronto Atendimento, a realização de ações de testagem em massa, a implementação de três Centros de Enfrentamento à Covid-19 e a adoção do protocolo medicamentoso para tratamento precoce da população.

“As nossas ações foram muito acertadas. Estamos chegando à 13ª semana consecutiva de redução de casos, número de leitos ocupados, taxa de transmissibilidade e confirmação de óbitos. Estamos vencendo essa guerra, mas não podemos e nem vamos relaxar. Seguiremos com as iniciativas de reforço na fiscalização para que as medidas previstas nos decretos municipais sejam cumpridas”, destacou Álvaro Dias.

Os representantes das instituições de ensino informaram que já dispõem do protocolo de biossegurança pronto e suas instalações já estão adequadas para o retorno das atividades, reforçando que a retomada é essencial para a formação dos novos profissionais, já que os estágios são obrigatórios para a conclusão dos cursos.

Participaram da reunião representantes da Universidade Potiguar/UnP, Estácio, Maurício de Nassau, UniRN e Facex.

Reprodução do Blog do BG

Moradores pegos sem máscara são forçados a cavar covas para vítimas da Covid-19 na Indonésia



Foto: Rex Features

Moradores que se recusam a usar máscaras são forçados a cavar sepulturas para as vítimas da Covid-19 pelas autoridades locais em uma parte rural da Indonésia. O objetivo é que um pouco de trabalho manual e empatia convença outras pessoas a fazer a sua parte para ajudar a conter a pandemia.

De acordo com as autoridades locais, três homens de meia-idade e cinco menores no distrito de Cerme, região de Gresik, Java Oriental, receberam essa punição em 9 de setembro.

Embora o uso de máscaras seja obrigatório em público em toda a Indonésia, há um segmento ruidoso da população que reluta em usá-las e praticar o distanciamento social.


Especialistas dizem que a falta de vigilância pública tornou mais difícil para as autoridades indonésias impedir a disseminação do vírus, que até agora infectou cerca de 230 mil pessoas no país. Mais de 160 mil desses pacientes se recuperaram, enquanto pelo menos 9.100 morreram, de acordo com o Ministério da Saúde da Indonésia.

Com o aumento dos casos nos últimos meses, o governo do país aprovou uma lei em julho exigindo que as pessoas usem máscaras em público, mas deixou para as autoridades locais determinar as punições por descumprimento.

Uma força tarefa chamada de “três pilares” – que reúne as Forças Armadas Nacionais da Indonésia, a Polícia Nacional da Indonésia e as autoridades locais de aplicação da lei – está encarregada de fazer cumprir o uso de máscara em todo o país.

No distrito de Cerme, os “três pilares” dão àqueles que não usam máscara a opção de aceitar uma multa de 150 mil rúpias (US$ 10) ou o que o governo chama de “punição social”, segundo o líder do distrito, Suyono.

Suyono (ele tem apenas um nome) disse à CNN que a maioria das pessoas aceita a punição social, que geralmente envolve fazer flexões ou uma limpeza em algum local. Mas ele espera que opções como cavar sepulturas sejam educacionais e mostrem “em primeira mão o efeito real e sério da Covid-19”. Os punidos cavaram as sepulturas, mas não precisaram estar presentes durante o enterro, disse Suyono.

As autoridades da capital Jacarta adotaram uma ideia semelhante no início deste mês. Um homem foi obrigado a se deitar em um caixão em público depois de ser pego sem usar máscara.

No entanto, não está claro se esses tipos de penalidades aumentaram o uso de máscaras na Indonésia. O país não conseguiu achatar a curva por meses e as infecções ainda estão aumentando. Somente as Filipinas registraram mais casos entre os países do Sudeste Asiático.

Restrições sociais em grande escala foram colocadas em prática pela segunda vez em Jacarta no domingo (13), desde o início da pandemia.

Com os casos ainda subindo, a infraestrutura de saúde da capital da Indonésia pode estar chegando ao limite. Segundo informaram as autoridades na segunda-feira (14), as unidades de emergência em todos os 20 hospitais de Jacarta aprovados para tratar pacientes com Covid-19 estão lotadas.

CNN Brasil

quarta-feira, 16 de setembro de 2020

Brasil e Paraguai reabrem parcialmente suas fronteiras para comércio




Foto: reprodução

O Brasil e o Paraguai decidiram reativar o comércio entre as cidades fronteiriças de Foz do Iguaçu, no Paraná, e Ciudad del Este, no Paraguai; Mundo Novo, em Mato Grosso do Sul, e Salto del Guairá, o Paraguai; e Ponta Porã (MS) e Pedro Juan Caballero, no Paraguai.

Os dois países assinaram nesta quarta-feira (16), uma ata bilateral que permite a reativação parcial do comércio.

O acordo prevê a criação de pontos comerciais próximos das fronteiras de cada país. Além disso, traz procedimentos para realização de compras pelos cidadãos dessas cidades. Os requisitos aduaneiros migratórios e sanitários determinados por cada país devem ser respeitados.

Os dois países fecharam as fronteiras em março em virtude da expansão do novo coronavírus no continente.

Segundo o Ministério da Saúde do Paraguai, o país tem 29.298 pessoas contaminadas e 552 mortos por covid-19. Já o Brasil está com 4,4 milhões de casos e 134,1 mil mortos pela doença.

Agência Brasil

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

[ Insentivo ] Nada Permanece o Mesmo #BLR

 As estações mudam. Às vezes é inverno, às vezes é verão.

 Se você permanecer sempre no mesmo clima, você se sentirá estagnado. Você precisa aprender a gostar daquilo que está acontecendo. Chamo a isso de maturidade. Você precisa gostar daquilo que já está presente. 

A imaturidade é ficar vivendo nos "poderias" e nos "deverias" e nunca vivendo naquilo que "é" - aquilo que "é" é o caso, e o "deveria" é apenas um sonho.


Tudo o que for o caso, é bom. Ame isso, goste disso e relaxe nisso. Quando algumas vezes vier a intensidade, ame-a. 

Quando ela for embora, despeça-se dela. As coisas mudam... A vida é um fluxo. Nada permanece o mesmo; às vezes há grandes espaços e às vezes não há para onde se mover. Mas as duas coisas são boas, ambas são dádivas da existência. Você deveria ser grato, reconhecido por tudo o que acontece. 

Desfrute o que for. É isso que está acontecendo agora. Amanhã poderá mudar, então desfrute aquilo. Depois de amanhã algo mais poderá acontecer. Desfrute-o. Não compare o passado com as fúteis fantasias futuras. Viva o momento.

 Às vezes é quente, às vezes é muito frio, mas ambos são necessários; de outro modo, a vida desapareceria. Ela existe nas polaridades. A vida é um fluxo. Permita que ela flua constantemente através de você. - Leonardo jesus