domingo, 25 de agosto de 2013

Fora do Planalto

Dilma lança ofensiva sobre territórios tucanos
Presidente faz seis viagens a São Paulo e três a Minas Gerais em um mês, preparando terreno para 2014. Aécio Neves começa a se movimentar
Gabriel Castro, de Brasília



Dilma Rousseff na quinta-feira em São Paulo: afagos a Fernando Haddad (à direita), prefeito da capital e vitrine da gestão petista no estado (Nelson Antoine/Fotoarena)

Quando resolveu retomar a rotina de viagens depois dos protestos que chacoalharam o país há dois meses, a presidente da República, Dilma Rousseff, optou por uma rota diferente da que havia percorrido nas semanas anteriores. Até então, ela priorizara o Nordeste. Agora, o foco é outro: São Paulo e Minas Gerais, principais territórios sob influência política do PSDB.

Desde 31 de julho, Dilma esteve cinco vezes em cidades paulistas e duas no estado vizinho. As outras viagens foram para o Rio de Janeiro, durante a Jornada Mundial da Juventude, Rio Grande do Sul, onde vive sua filha, e agendas internacionais para o Paraguai e o Uruguai.

Na semana que se inicia, Dilma não vai mudar o roteiro: na terça-feira, ela visitará Belo Horizonte. Na quinta, a presidente volta a Campinas (SP). Ao final de agosto, a soma de viagens somará seis paradas no território paulista e três no Minas Gerais em um mês. É um número incomum.

Em solo tucano

31/07 - SÃO PAULO (SP)
Anúncio de R$ 8 bilhões em investimentos do PAC Mobilidade Urbana para Fernando Haddad (PT)

7/08 - VARGINHA (MG)
Inauguração do câmpus avançado da Universidade Federal de Alfenas

12/08 - RIBEIRÃO PRETO (SP)
Inauguração do primeiro trecho do Sistema Logístico de Etanol Ribeirão Preto - Paulínia

13/08 - ITAPIRA (SP)
Inauguração da nova fábrica de biotecnologia e de citostásticos e ampliação da farmoquímica do Complexo Industrial Cristáliaus

19/08 - SÃO BERNARDO DO CAMPO (SP)
Anúncio de R$ 2,1 bilhões em investimentos do PAC para sete cidades do ABC e entrega de kit com máquinas retroescavadeiras a 100 municípios paulistas

20/08 - SÃO JOÃO DEL-REI (MG)
Anúncio da seleção de obras e recursos do PAC Cidades Históricas

22/08 - SÃO PAULO (SP)
Celebração do milionésimo contrato do Fundo de Financiamento Estudantil (FIES)

27/08 - BELO HORIZONTE (MG)
Agenda oficial a ser divulgada

29/08 - CAMPINAS (SP)
Agenda oficial a ser divulgada

O pretexto para as viagens de Dilma é o que menos importa: o essencial é ter um palanque para discursar, plateia e espaço na imprensa regional para fazer ecoar seu discurso. Em Cristália (SP), por exemplo, a presidente participou da inauguração da nova fábrica de biotecnologia e de citostáticos da cidade. Em São João del-Rei (MG), relançou um programa que já havia sido anunciado muito tempo antes: o PAC Cidades Históricas.

Leia também: Em SP, Dilma passa mais tempo com Lula do que em evento oficial

Antes dos protestos que forçaram o governo a corrigir os rumos e prenderam a presidente em Brasília por aproximadamente um mês, Dilma priorizava o Nordeste. O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, era visto como uma ameaça real para 2014, e se tornou importante fazer uma ofensiva na região onde o representante do PSB é mais forte.

Com a queda na popularidade, Dilma se recolheu no Palácio do Planalto por um mês. Depois, passou a dar ainda mais importância às viagens. E o cenário se alterou: Eduardo Campos, que ainda hesita em lançar-se candidato, é o último dos quatro principais nomes nas pesquisas eleitorais. Marina Silva ainda luta para formalizar o seu partido, aRede Sustentabilidade, a tempo de disputar a Presidência em 2014. Por isso, a atenção do Planalto se volta para os tradicionais adversários do PSDB, que têm em São Paulo e Minas Gerais seus redutos eleitorais.

São João del-Rei, cidade visitada pela presidente em 20 de agosto, é nada menos do que a terra-natal do tucano Aécio Neves, virtual candidato do PSDB. Lá, Dilma posou ao lado de prefeitos - muitos deles, aliados de Aécio - e elogiou Tancredo Neves, avô do tucano. É uma clara ofensiva em território inimigo.

Aécio reagiu: diz que os passeios da presidente podem configurar propaganda antecipada. "É uma prerrogativa que ela tem. Mas, obviamente, a Justiça Eleitoral deve estar atenta a essa excessiva movimentação com um caráter evidentemente eitoral", diz o presidente do PSDB e possível candidato ao Palácio do Planalto. O tucano afirma que o PAC Cidades Históricas, anunciado pela presidente em São João del-Rei, não resultou na aplicação de um real sequer.

Além da ofensiva de viés eleitoral, as viagens de Dilma para São Paulo e Minas Gerais podem ter sido motivadas pela tentativa de recuperar sua popularidade onde ela mais caiu: no Sul-Sudeste. No Nordeste e no Norte, apesar da queda, a presidente ainda tem um prognóstico eleitoral mais confortável.

Outro elemento ajuda a explicar a mudança de foco: o interesse do PT em tirar os tucanos de seus dois principais governos estaduais. Reforçar as realizações do governo petista entre paulistas e mineiros ajuda a contrabalancear a hegemonia tucana nos dois estados e pode preparar o terreno para candidaturas de oposição.

Leia também: Queda na popularidade de Dilma é alerta para 2014

Apesar da nítida mudança de prioridade na agenda da presidente, o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) diz que a intensificação das viagens de Dilma a São Paulo e Minas é uma "coincidência", e lembra que esses são os dois estados mais populosos da nação. "É natural a presidente ir a São Paulo, que condensa boa parte do PIB e da população do país", afirma.

Segundo Vaccarezza, também não é verdade que o PT tenha lançado uma ofensiva para, além de reconquistar apoio para Dilma, minar as bases dos governos tucanos nos dois maiores estados do país.

Caravanas - O senador Aécio Neves também deve aumentar as viagens pelo Brasil - embora com bem menos frequência do que a petista. Ao contrário de Dilma, que tem obras a inaugurar e verbas federais a oferecer a prefeitos e governadores, Aécio se dedica a encontros de bastidores e reuniões com militantes. Sempre que possível, ele também concede entrevistas a veículos de imprensa regionais.

O foco do tucano, por ora, se divide entre São Paulo - onde há resistência ao seu nome dentro do PSDB - e Nordeste, onde o senador ainda é pouco conhecido.
Nos dias 13 e 14 de setembro, Aécio irá a Curitiba (PR) para um encontro com a militância tucana e seus aliados da região Sul. Nos meses seguintes, ele participará de eventos semelhantes em Maceió (AL), Manaus (AM) e Goiânia (GO), para mobilizar apoiadores no Nordeste, no Norte e no Centro-Oeste, respectivamente.

A frequência das viagens de Aécio é bem menor do que as de Dilma. Mas o presidente do PSDB mineiro, Marcus Pestana, não vê problema: "Não medimos nosso ritmo pela régua dos adversários. Nosso candidato tem luz própria".


Leia também
Partido dos Trabalhadores (PT)

Dilma passa mais tempo com Lula do que em evento oficialDilma quer reverter pessimismo econômicoGoverno quer mudar tática de intervenção no câmbio
Partidos Políticos

Serra pede 'condições iguais' para prévias do PSDBContas do PT: a absolvição da mentiraSTF retoma julgamento com discussão sobre tese que pode beneficiar trio do PT
Presidência da República

Governo monta ofensiva no Congresso contra 'vetos bomba'Congresso começa a votar 137 vetos sob nova regraFGTS: Congresso pode aprovar fim gradativo de multa

Da Revista Veja

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário será exibido em Breve