domingo, 25 de agosto de 2013

Zagueiro Dedé comemora o primeiro gol do Cruzeiro na vitória sobre a Ponte Preta


Com gol de Dedé, Cruzeiro vence Ponte Preta, lidera e vai 'secar' Botafogo


Com gols de Dedé, que no meio da semana falhou no triunfo sobre o Flamengo pela Copa do Brasil, e Borges, o Cruzeiro venceu a Ponte Preta, por 2 a 0, na noite deste sábado, pelo Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, reassumindo provisoriamente a liderança do Brasileirão. Foi a terceira vitória cruzeirense em oito jogos como visitante, melhorando um pouco o seu aproveitamento nessa situação.

Para se manter líder, ao fim da 16ª rodada, o Cruzeiro terá que ‘secar’ o Botafogo, que visita o quinto colocado, Atlético-PR, às 18h30, deste domingo, em Curitiba. O alvinegro carioca agora tem dois pontos a menos que a equipe celeste e vem travando duelo disputado a cada rodada com o time do técnico Marcelo Oliveira. Um empate no Paraná é suficiente para manter a equipe mineira na primeira colocação. Já a Ponte Preta, que foi dominada a maior parte do jogo, se manteve com 15 pontos e corre risco de entrar na zona de rebaixamento.

No primeiro tempo, Dedé marcou de cabeça, na etapa inicial, dando a volta por cima após falhar em gol que reduziu a vantagem celeste contra o Flamengo, pela Copa do Brasil. O segundo gol, na etapa final, foi do atacante Borges, que não vinha bem e acabara de desperdiçar ótima oportunidade, quando mostrou a vocação de artilheiro e balançou as redes da Ponte Preta. O jogo marcou ainda a estreia do volante Henrique, contratado no início do ano, envolvido na venda de Montillo ao Santos, que ficou todo esse tempo em recuperação médica.
Veja Álbum de fotos

No Cruzeiro, o técnico Marcelo Oliveira cogitou descansar alguns titulares, mas deixou apenas o lateral esquerdo Egídio de fora, optando em escalar os demais atletas. “Trocamos o Egídio, que estava em pior condição e vinha atuando mais, entrando o Everton, que tem toda a nossa confiança”, explicou o técnico Marcelo Oliveira, antes do início da partida. Já pelo lado da Ponte Preta, o time teve desfalque de última hora: o atacante William, artilheiro do Brasileiro, com 10 gols, foi vetado pelo departamento médico e substituído por Dennis.

O primeiro tempo começou com o Cruzeiro arriscando chutes de longa distância. Aos 4 min, foi a vez de Ricardo Goulart, que obrigou Roberto e espalmar a bola. No minuto seguinte, Souza bateu e o goleiro do time da casa pegou firme. A Ponte chegou ao ataque com algum perigo aos 9 min, mas Chiquinho finalizou sem pontaria. Mesmo atuando sem o mando de campo, o time celeste tomava mais a iniciativa, enquanto a equipe de Paulo César Carpegiani se posicionava em busca do contra-ataque.

Aos 22 min, o Cruzeiro abriu o marcador. Willian cobrou escanteio, da direita, e o zagueiro Dedé subiu mais alto que a marcação e cabeceou com força para colocar a bola nas redes. O gol não alterou o panorama. A Ponte Preta se defendia, enquanto o Cruzeiro atacava. O time de Campinas esbarrava na sua fragilidade ofensiva, sem conseguir ameaçar o gol defendido pelo goleiro Fábio.

Após os 30 minutos da etapa inicial, mais na base da vontade e correria do que na técnica e toque de bola, a Ponte Preta chegou mais à frente, mas não conseguia finalizar e Fábio seguiu com pouco trabalho. Antes do intervalo, o volante Souza, que havia levado cartão amarelo aos 29 min, sentiu um problema médico e foi substituído pelo jovem Lucas Silva.

O Cruzeiro voltou com a mesma formação que terminou a primeira etapa. Já na Ponte Preta, insatisfeito com a atuação, o técnico Paulo César Carpegiani fez logo duas alterações, no intervalo: tirou Magal e Dennis colocando Ramirez e Rafinha. A equipe da casa mostrava entusiasmo, mas o jogo estava equilibrado, embora o Cruzeiro criasse as melhores chances. Aos 10 min, por exemplo, Borges ficou livre, mas chutou fraco e facilitou a defesa de Roberto.

Depois de perder Souza, com dores na panturrilha esquerda, o Cruzeiro teve de gastar outra substituição por contusão. O lateral esquerdo Everton sentiu um problema e Marcelo Oliveira teve de colocar em campo Egídio, a quem quisera poupar, deixando no banco. Já a Ponte Preta mexeu no esquema tático, com a saída de um dos três zagueiros Diego Sacoman para a entrada do meia Giovanni.

A partida a este momento era fraca tecnicamente, com muitos erros de passes. Só que o Cruzeiro, com elenco mais forte, fez prevalecer essa diferença e aumentou a vantagem, aos 27 min, com Borges, que, no minuto anterior, havia desperdiçado uma incrível oportunidade. Esse segundo gol deixou a Ponte abatida e sem forças para reagir. O time mineiro voltou a abusar do direito de desperdiçar oportunidades e isso ajuda a explicar porque o placar não foi maior.


Personagens da Partida

Melhores

Dedé
Jogou com segurança na defesa e ainda apareceu no ataque, fazendo o gol da vitória do Cruzeiro


Borges
Não estava em noite inspirada, mas provou sua vocação de artilheiro. Logo após desperdiçar chance, fez o segundo gol celeste


Piores

Souza
Lento e parecendo disperso, errou muitos passes e com menos de 30 min do 1º tempo já havia levado amarelo. Acabou substituído por contusão.


Chiquinho
Responsável pela criação das jogadas ofensivas da Ponte Preta teve atuação apagada, demonstrando pouca inspiração.

Do UOL, em Belo Horizonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário será exibido em Breve