sábado, 15 de novembro de 2014

Arrocho em corruptores da Petrobras é histórico


No Brasil, a ideia de que o parceiro ativo é tão culpado quanto o parceiro passivo num ato de corrupção nunca prosperou de verdade. Estava subentendido que essa era a maneira de fazer negócios. Por isso, a expedição de mandados de prisão contra 25 executivos de grandes empreiteiras, entre eles cinco presidentes, tem um aroma de história.

São prisões preventivas e temporárias. Não se confundem com sentenças condenatórias. Mas, num país que se habituou a aceitar a corrupção com objeto e sem sujeito, um simples interrogatório representa uma novidade alvissareira.

Uma época é mais ou menos como uma festa. Acaba sempre com uma boa faxina e um exame de consciência. No futuro, quando os livros puderem falar sobre a farra da Petrobras sem o receio de encontrar alguém escondido dentro do sofá, 2014 será lembrado como o ano de nascimento de uma nova época. Uma época em que o Brasil descobriu que oferecer propina também é pecado.

Recomeça agora uma nova festa. Entre a conclusão dos inquéritos e o veredicto, deve durar mais de cinco anos. Não dá para dizer como será. Mas é possível prever que, se não terminar em punição, a ressaca será de amargar.

Sérgio Moro, o juiz da Operação Lava Jato, mandou que a PF recolhesse ao xadrez executivos das mais vistosas logomarcas da empreita: Camargo Corrêa, OAS, Queiroz Galvão, Mendes Júnior, Iesa, UTC e Engevix. Na Odebrecht, não houve prisões. Mas os escritórios foram varejados por uma batida policial.

Juntas, essas empreteiras colecionaram na Petrobras contratos de R$ 59 bilhõesdesde 2003. Outra novidade: o doutor Moro mandou bloquear as contas bancárias dos presos. Somam R$ 720 milhões. Cogitou trancar também as contas das empreiteiras. Mas teve receio de inviabilizar-lhes o funcionamento.

Há 20 anos, a plutocracia foi pilhada remunerando falsas consultoriais de uma empresa de PC Farias. Ninguém teve que dar muitas explicações. No caso dos anões do Orçamento, as empreiteiras tiveram o desgaste de meia dúzia de manchetes. Mas ficou nisso.

Abriu-se no Congresso uma CPI para os congressistas corruptos do Orçamento. Produziu cassações. Circulou também a ideia de abrir uma CPI para os corruptores. Foi abatida em pleno voo. Outras operações da PF, como a Castelo de Areia, ruíram no STJ graças a tecnicalidades levantadas por advogados bem remunerados.

Na Lava Jato, as provas não são feitas de areia. As prisões escoram-se sobretudo em documentos e depoimementos de delatores. O material parece forte o bastante para justificar mais do que algumas horas de má exposição. Com sorte, a Papuda terá de abrir mais duas alas: uma para os ativos e outra para os passivos. Não vai acabar com a corrupção. Mas pelo menos vamos parar de confundir assalto com macheza empresarial.



UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário será exibido em Breve