terça-feira, 18 de agosto de 2015

Após bater R$ 3,50, dólar muda de rumo e opera em queda








Na véspera, a moeda norte-americana caiu 0,02%, a R$ 3,4823 para venda.
No mês, o dólar acumula alta de 1,68% e no ano, de 30,98%.

Após chegar a bater R$ 3,50, o dólar mudou de rumo e passou a cair nesta terça-feira (18), em meio ao menor apetite por risco nos mercados globais diante de nova queda das bolsas da Chinae em meio a preocupações com a crise política no Brasil.


Na véspera, a divisa caiu 0,02%, a R$ 3,4823 para venda. No mês, o dólar acumula alta de 1,68% e no ano, de 30,98%.

Cenário externo
Os dois principais índices acionários da China despencaram mais de 6% nesta terça-feira, em um momento em que a desaceleração da segunda maior economia do mundo, principal referência para investidores em mercados emergentes e importante parceiro comercial do Brasil, provoca apreensão nos mercados globais.

A perspectiva de alta dos juros nos EUA, que pode atrair para o mercado norte-americano capitais atualmente investidos em países como o Brasil, também corroborava para a alta do dólar ante o real.

Operadores vêm afirmando que parece cada vez mais claro que o Federal Reserve, banco central norte-americano, começará a elevar os juros em breve, com boa parte apostando já no mês que vem.

Nesta sessão, o crescimento das vendas de novas moradias deu força à percepção de que a economia dos EUA está rodando a praticamente a todo o vapor, o que pode abrir espaço para o Federal Reserve, banco central do país, dar início ao aperto monetário no mês que vem.

Cenário interno
No cenário interno, a política continuava ocupando o centro das atenções, antes de votações no Congresso de pautas relevantes, como a reversão da desoneração da folha de pagamento e o projeto que altera a remuneração do FGTS. Além disso, o mercado via em declarações de autoridades da oposição, na véspera, sinais de renovada pressão sobre a presidente Dilma Rousseff.

Mais tarde, o Banco Central brasileiro dará continuidade à rolagem dos swaps cambiais que vencem em setembro, com oferta de até 11 mil contratos, equivalentes à venda futura de dólares.



Do G1, em São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário será exibido em Breve