terça-feira, 24 de novembro de 2015

Expansão da JBS(Friboi) contou com recursos do BNDES, em 2007

Foto: Picasa / Agência O Globo
Com mais de 60 anos de história, é à última década que o grupo JBS deve o salto que fez seu faturamento passar de R$ 3,5 bilhões, em 2004, para os atuais R$ 120,5 bilhões ao ano. A maior fabricante de carne do mundo nasceu em 1953, em Anápolis (GO), como açougue Casa de Carnes Mineira. O fundador foi José Batista Sobrinho, pai dos irmãos Joesley e Wesley, que comandam hoje o conglomerado. Nos anos seguintes, já como Friboi, tornou-se frigorífico e foi favorecido pelo desenvolvimento de Brasília, da qual se tornou a principal fornecedora de carne.

A empresa continuou a expansão pelas décadas seguintes, ganhando porte nacional por meio da compra de abatedouros. Mas o momento da virada só chegaria em 2005, com sua entrada na cena internacional por meio da compra da Swift Argentina. Em 2007, já como JBS, estreou na Bolsa captando R$ 1,6 bilhão.

A BNDESPar aportou nela R$ 1,1 bilhão naquele ano — viabilizando a compra da Swift nos EUA e na Austrália —, conquistando 13% da companhia. Com a capitalização, a JBS fez mais três compras nos EUA e se fundiu com o Bertin em 2009, segundo maior frigorífico nacional.

O suporte do BNDES atendia à política da gestão Lula de formar “campeões nacionais” para brigar com gigantes no exterior, gerando críticas de concorrentes e da oposição. Mas, até agora, o negócio é bom para a empresa e para o banco. Hoje, a BNDESPar tem 23,9% do grupo JBS. Segundo dados obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação, o órgão teria ganho de R$ 3 bilhões se tivesse vendido sua participação em 30 de junho de 2015, considerando o custo da aquisição de ações e o ganho com dividendos, juros sobre capital próprio pagos entre 2007 e 2014.

O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário será exibido em Breve