domingo, 29 de novembro de 2015

Natalense vai pagar dívidas com o 13º e acredita que 2016 será melhor


Reportagem de Sara Vasconcelos na Tribuna do Norte deste domingo mostra que o Natalense realmente é um povo otimista. Segue:

O cenário de recessão econômica não alterou o otimismo do natalense em relação a 2016, mas mudou a forma como este gastará o 13º salário, que a partir desta segunda-feira (30), fará circular mais de R$ 1,9 bilhão na economia do Estado, até o final do ano. Organizar a vida financeira é a prioridade com o dinheiro extra. O pagamento de dívidas é a opção de 45,54%, revela pesquisa encomendada pela TRIBUNA DO NORTE ao Instituto Certus, seguido por poupar ou investir (15,84%), comprar presentes (8,91%), despesas escolares (8,58%) e viajar (7,59%).

O décimo é visto por muitos, como o comerciante José Segundo, de 58 anos, como forma de “sair do vermelho” sem comprometer muito a renda mensal para quitação de débitos em atraso. O dinheiro que antes era usado para comprar presentes e organizar viagens, conta Segundo, este ano será usado para quitação de dívidas.

O crescimento do uso do recurso para este fim, observa o presidente do Instituto Certus, Mardone Cavalcante França, acende o sinal de alerta para o comércio e deverá acentuar a retração no consumo. “Chama atenção a proporção de natalenses (60%) que usará o dinheiro para quitar dividas, investir ou poupar. É uma nova conjuntura, não há mais equilíbrio na forma de uso, como antes, o que significa um freio nas compras de fim de ano”, afirma.

O estudo realizado na capital nos dias 27 e 28 de novembro revela as perspectivas para 2016, a percepção da crise e como o natalense pretende gastar o benefício. Foram ouvidas 401 pessoas em toda a Natal. A pesquisa se propõe a subsidiar estratégias de vendas para este final de ano.

Acessem a reportagem completa e os números da pesquisa clicando: http://tribunadonorte.com.br/noticia/da-vidas-na-mira-e-otimismo-para-2016/331249

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário será exibido em Breve