quinta-feira, 2 de junho de 2016

Suspeitos de estupro coletivo são transferidos para presídio no Rio



Raí de Souza, 22, e Lucas Perdomo, 20, presos sob a suspeita de participar do estupro coletivo de uma menor de 16 anos, foram transferidos nesta quinta-feira (2) para o presídio Bangu 10, na zona oeste do Rio.

Ao ser questionado se teria esperanças de deixar o presídio, Perdomo disse: “Tenho fé”.

A transferência foi autorizada pela delegada Cristiana Bento, titular da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima.

A investigação teve início após um vídeo da jovem, nua e desacordada, ser postado em redes sociais na terça (24).

Na gravação, um grupo de homens, em meio a risadas, toca nas partes íntimas da garota e diz: “Mais de 30 engravidou [sic]”.

Em 2009, a lei nº 12.015 foi alterada e passou a considerar, além da conjunção carnal, atos libidinosos como crime de estupro.

A garota aponta Lucas Perdomo, que é jogador de futebol, como a pessoa com quem ela se encontrou na noite do crime no baile funk no morro da Barão. Perdomo afirma que estava com outra mulher, mas em outro cômodo da casa.

Em seu primeiro depoimento à polícia, Raí admitiu ser responsável pela gravação divulgada em redes sociais e disse ter feito sexo com o consentimento da vítima.

Seu novo advogado, no entanto, afirmou que o jovem nega ter sido o autor da gravação, apesar de ser o dono do celular em que ela foi feita. O vídeo, segundo Rai, teria sido feito por um traficante chamado Jeferson.

OUTRO SUSPEITO

O outro suspeito de envolvimento no caso que está detido, Raphael Belo, deve permanecer, por enquanto, na Cidade da Polícia.

Belo se entregou à polícia na quarta-feira (1°). Perdomo e Raí estão presos desde a última segunda-feira (30).

O advogado de Lucas, Alexandre Antunes pediu nesta quinta a revogação da prisão do seu cliente.

Segundo Antunes, após a inclusão do depoimento de Raphael Belo no inquérito ficou claro para a delegada Cristiana Bento, titular da delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), que Lucas não estava presente na casa onde houve o estupro no momento do ato.

“Eu conversei com a delegada e ela está convencida de que o Lucas não tem envolvimento”, disse o advogado.

Silvio César Duarte Santos, pai de Lucas, tentou visitar o filho nesta quinta e deixou a Cidade da Polícia satisfeito.

“Sabendo que tudo está mais tranquilo para ele, ele está muito feliz. Vai ser o dia mais feliz da minha vida”, contou o pai, acrescentando que o filho será solto em breve.

A delegada ainda não se pronunciou sobre a situação de Lucas.

Folha de SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário será exibido em Breve