terça-feira, 30 de maio de 2017

Andar apenas 25 minutos por dia pode evitar a demência e retardar seus efeitos, segundo estudo



Apenas 25 minutos de caminhada por dia poderiam evitar os efeitos debilitantes da demência, segundo um novo estudo.

Pesquisadores no Canadá monitoraram um grupo de 38 adultos com disfunção cognitiva vascular, a segunda causa mais comum de demência após a doença de Alzheimer. Eles descobriram que aqueles que fizeram alguns passeios rápidos por semana tiveram uma melhora na função cerebral. Depois de seis meses, eles tinham tempos de reação melhores e outros sinais de função cerebral melhorada, a equipe canadense relatou no British Journal of Sports Medicine.

A equipe disse que sua pesquisa também sugere que caminhadas rápidas regulares poderiam reduzir um risco de desenvolver disfunção cognitiva vascular. O cérebro é um órgão altamente metabólico e mantê-lo saudável requer bom fluxo de sangue para entregar os nutrientes necessários e oxigênio para seus tecidos. A disfunção cognitiva vascular refere-se à demência mais avançada que é decorrente dos mesmos tipos de danos nos vasos sanguíneos visto com doença cardíaca em outras partes do corpo.

O exercício aeróbio também pode beneficiar o cérebro, aumentando os fatores de crescimento, que são substâncias feitas pelo organismo que promovem o crescimento celular, diferenciação e sobrevivência. “Está bem estabelecido que o exercício aeróbio regular melhora a saúde cardiovascular e a saúde cerebrovascular”, disse a autora do estudo, Teresa Liu-Ambrose. Mais especificamente, reduz o risco de desenvolver doenças crônicas, como hipertensão arterial, diabetes e colesterol alto.

Liu-Ambrose é pesquisadora do Laboratório de Envelhecimento, Mobilidade e Neurociência Cognitiva da Universidade de British Columbia, em Vancouver, no Canadá. Ela e uma equipe de pesquisa colocaram aleatoriamente 38 idosos com disfunção cognitiva vascular leve em um dos dois grupos. Um grupo seguiu um programa de treinamento aeróbico de três aulas de uma hora de caminhada por semana durante seis meses, enquanto o outro grupo continuou com seus cuidados habituais.

Além disso, ambos os grupos receberam informações sobre comprometimento cognitivo vascular e dicas para ter uma dieta mais saudável. Antes do início do programa de exercícios e no final de seis meses, todos os participantes também tiveram exames de ressonância magnética funcional e outros testes que mediram a atividade neural e a capacidade cognitiva. As pessoas no grupo de treinamento aeróbio tiveram melhorias significativas em seus tempos de reação nos testes cognitivos, e mostraram mudanças em sua atividade cerebral que as faziam mais parecidas com cérebros saudáveis. O outro grupo não apresentou alterações.

Em geral, o exercício parece ser uma estratégia promissora para promover a saúde cognitiva em adultos mais velhos, disse Liu-Ambrose. “Embora mais pesquisas sejam necessárias para entender melhor como ela traz seus benefícios e quais fatores podem afetar o grau de benefício observado, há uma consequência negativa mínima do exercício”, disse ela. Liu-Ambrose disse que não sabe se o exercício realmente pode impedir a disfunção cognitiva vascular porque não houve estudos para determinar isso.

“No entanto, estudos de base populacional sugerem que a atividade física reduza o risco de desenvolvimento de disfunção cognitiva vascular. Além disso, como mencionado anteriormente, o exercício aeróbio é muito eficaz na redução dos fatores de risco vasculares associados com a disfunção cognitiva vascular, como a pressão arterial elevada”, disse. O estudo foi pequeno, e como os participantes tinham que ser capazes de andar por até uma hora, é possível que eles fossem fisicamente mais saudáveis ​​do que a média, observam os autores. A socialização envolvida nas aulas de caminhada também pode ter tido algum efeito, acrescentam.

“Dado o pequeno tamanho da amostra, é preciso ser cauteloso quanto à interpretação dos resultados deste estudo piloto. No entanto, é encorajador ver que o programa de exercícios aeróbicos de seis meses melhorou certos aspectos da cognição e mostrou mudanças na imagem cerebral funcional“, disse Dr. Joe Verghese, diretor do Centro Montefiore Einstein para o Cérebro de Envelhecimento no Centro Médico Montefiore em Nova York.

Jornal Ciência via Daily Mail

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário será exibido em Breve