sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Detento se casa em cerimônia religiosa dentro do presídio em Santa Izabel do Pará


Casal está junto há 8 anos e se conheceu antes dele ser preso. Pastor diz que casamento contribui para processo de ressocialização.



Por G1 PA, Belém

Após oito anos de relacionamento, Rafael Maia, de 34 anos, e Brenda Cunha, de 24 anos, resolveram oficializar a união em uma cerimônia religiosa. O noivo, que cumpre pena no Centro de Recuperação Penitenciário do Pará II (CRPP II), em Santa Izabel do Pará, avisou a direção do presídio, que autorizou a realização do casamento em um espaço improvisado na casa penal na última quinta-feira (18).

A situação do noivo não desanimou a noiva, que providenciou todos os detalhes da cerimônia: usou vestido branco com direito a véu, bolo de casamento e convidados. “As nossas famílias não moram aqui, a minha está em Macapá e a dele no Rio de Janeiro, então eu tive que cuidar de tudo sozinha e com a ajuda também dos amigos. Comprei o vestido, fiz cabelo e maquiagem e hoje eu estou aqui para realizar meu maior sonho. Sempre sonhei com o meu casamento. Estou muito nervosa, mas muito feliz por estar aqui. Não é fácil a situação em que a gente se encontra, mas nos apoiamos e vamos superar tudo isso”, disse Brenda.


Pastor de igreja evangélica realizou a cerimônia no presídio. (Foto: Akira Onuma/ Ascom Susipe)

“Nos conhecemos através das redes sociais, quando ainda estava fora do presídio. Infelizmente nos separamos porque eu cometi um erro e vim parar aqui no presídio, mas eu já estou pagando pelo crime que cometi, sou uma pessoa renovada e por isso decidimos que essa era a hora certa de realmente consagrar a nossa família. Estou no momento mais feliz da minha vida”, disse o detento Rafael Maia.

O pastor Elias Nascimento já realiza esse tipo de cerimônia dentro dos presídios há mais de 12 anos. Para ele, essa é uma maneira de contribuir para que os detentos também possam ter um momento especial como esse e sintam que estão voltando ao convívio em sociedade.

“Nós da igreja somos a família deles aqui dentro do cárcere, então damos todo o apoio a eles em momentos como esse, para que tudo saia como planejado e como se o casamento estivesse sendo realizado fora do presídio. Há muito preconceito envolvido em uma história como essa, muitas pessoas condenam, mas o nosso papel é apoiar esta celebração, pois sabemos o quanto isso contribui com o processo de ressocialização dos detentos”, avaliou o pastor.


Casal, que já tem três filhos, realizou sonho de se casar. (Foto: Akira Onuma/ Ascom Susipe.)

Segundo Lilian Valdez, Coordenadoria de Assistência Social (CAS) da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), quando o preso decide casar ele deve avisar a direção da casa penal. “Caso ele precise de algum tipo de documentação, como a identidade ou CPF, nós damos o apoio para que esse documento seja retirado e a oficialização do casamento possa ser feita. Desde o ano passado temos percebido um sensível aumento no número de uniões”, explicou.