A Consultoria que empregou Moro recebeu R$ 42,5 milhões de empresas alvos da Lava Jato



Foto: Sergio Lima/Poder 360

A Alvarez & Marsal, consultoria que abrigou o ex-juiz Sergio Moro (Podemos) depois que ele deixou a magistratura, recebeu R$ 42,5 milhões de empresas investigadas pela Lava Jato. Os dados estavam em segredo até esta sexta-feira (21), mas o ministro Bruno Dantas, do TCU, retirou o sigilo.

O Poder360 teve acesso aos documentos que estavam em sigilo. Conforme apurou o Poder360, o Tribunal de Contas acredita que a Alvarez & Marsal está tentando omitir o valor exato repassado a Moro. O Tribunal, no entanto, deve pressionar a consultoria até que a informação seja divulgada.

Dos R$ 42,5 milhões, a consultoria recebia R$ 1 milhão por mês da Odebrecht e da Atvos (antiga Odebrecht Agroindustrial); R$ 150 mil da Galvão Engenharia; R$ 115 mil do Estaleiro Enseada (que tem como sócias Odebrecht, OAS e UTC); e R$ 97 mil da OAS.

O TCU apura se houve conflito de interesses na contratação do ex-juiz Sergio Moro com a Alvarez & Marsal, responsável pelo processo de recuperação judicial da construtora Odebrecht.

Moro atuou como juiz em diversos processos envolvendo a Odebrecht. Quando deixou a magistratura, passou a ocupar o cargo de sócio-diretor da Alvarez & Marsal.

A investigação conduzida pelo subprocurador-geral do MP (Ministério Público) junto ao TCU tenta entender quem recomendou os serviços da Alvarez & Marsal para as empresas que eram alvo da Lava. Jato.

A filial brasileira da consultoria tinha pouca ou nenhuma experiência no setor de construção pesada e infraestrutura até antes de 2014. Até a Lava Jato, por exemplo, a Alvarez & Marsal só tinha clientes do setor financeiro.

OUTRO LADO


Em nota, Moro afirma que nunca trabalhou para empresas envolvidas na Lava Jato. Disse também que quando trabalhou na Alvarez & Marsal só ficou responsável por ajudar empresas a criar políticas de combate à corrupção.

Por fim, afirmou que não atuou na recuperação judicial da Odebrecht.

Eis a íntegra da nota:

“Nunca prestei nenhum tipo de trabalho para empresas envolvidas na Lava Jato. E isso foi deixado claro, a meu pedido, no contrato que assinei com a renomada consultoria norte-americana. Nos meses em que estive na empresa, trabalhei com compliance e investigação corporativa, ou seja, ajudando e orientando empresas a construir políticas para evitar e combater a corrupção.

Jamais trabalhei para a Odebrecht ou dei consultoria, direta ou sequer indiretamente, a empresas investigadas na Lava Jato,

A empresa de consultoria internacional, para a qual prestei serviço, foi nomeada por um juiz para atuar na recuperação judicial de créditos da Odebrecht, ou seja, para ajudar os credores a receberem dívidas. E eu jamais trabalhei nesse departamento da empresa. Portanto, os argumentos de que atuei em situações de conflito de interesse não passam de fantasia sem base.”

Poder 360

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário será exibido em Breve